Pular para o conteúdo principal

Balanço

Qualquer pessoa da minha idade já passou pelo menos por duas fases da vida e pode fazer um balanço de sua produção para avaliar os resultados físicos ou as elaborações que geraram produtos materiais com resultados que podem ser observados, avaliados, medidos e comparados. Para começar meu balanço, achei melhor partir da infância e seguir em direção às fases seguintes.

O aprendizado do artesanato veio logo cedo, na infância, em casa mesmo. Amei o crochê, virou paixão. Sonhava vestir a casa toda com crochê, feito por minhas mãos. O primeiro produto foi uma colcha de inúmeros pequenos círculos em vermelho e azul. Ela ficou linda. Produzi muitos círculos que foram costurados por minha mãe. Amaria revê-la. Lembro dela já velhinha gasta e desbotada, mas firme nos agasalhando no inverno.
Gostava de redação e de cadernos passados a limpo, bem encapados e desenhados com flores.  Na adolescência, quando a paixão pelo crochê aumentou e o momento dos anos setenta valorizava o artesanato, produzi coletes, blusas, saias, saídas de praia, bolsas, muitas bolsas.
Também aprendi corte e costura com uma professora em uma escola do bairro para produzir sob medida, boa parte de minhas roupas. Amava criar moda. Fiz peças lindas até costurar meu dedo indicador, mas nem por isso desisti.
O colégio e a universidade, realidades diferentes, e o crochê como a fiel escudeira. Peças e mais peças doadas, presenteadas, usadas, perdidas. Peças lindas, feias e horrorosas foram produzidas. Muitas coloridas e com diferentes texturas. Até hoje quando pego meu antigo livro de pontos de crochê publicado no Japão, que ainda consulto com muito carinho, lembro-me de cada peça que produzi com cada um dos pontos. Horas e horas a fio, tecendo, admirando desmanchando, planejando, refazendo. Muitos cadernos escritos à mão, projetos e ideias.
Fui a campo pesquisar sobre a cana de açúcar, usinas de açúcar e álcool e o etanol. Produzi uma monografia para o CNPq, um artigo publicado na revista da UNESP, outro para um congresso no sul do país e mais um publicado na revista local. Passei em dois concursos públicos e optei por um.
Com a maturidade, chegou o casamento e a maternidade, produção conjunta, filhos, produções gastronômicas, pizzas e outros menus combinados. Papinhas, suquinhos, solzinho e tudo que essa produção exige. Mais crochê, muito crochê e costuras. Enxoval, moisés, cortinas, berço, altas produções carinhosas, casaquinhos, bicos, muitos bicos e sapatinhos azuis. Antes vieram as cortinas, cabeceira, colcha e almofadas. Muitos tecidos costurados, aplicados, crochetados. Rendas, o branco, tons pastéis. Calmos. Nova fase se iniciando, novas cores, até ficar literalmente, sem máquina.
Na produção científica, muitos artigos, pesquisas, cursos e apresentações. Orientações, formação de profissionais competentes hoje reconhecidos. Novos cursos, novas áreas, novas tecnologias. Uma dissertação e uma tese. Livros, inicialmente, três, um manual de aulas práticas para o professor dar suas aulas sobre os temas transversais, sucesso total e dois temáticos, sobre as novas tecnologias e um atlas do município de Londrina, em parceria. Pesquisas, palestras, tudo em uma seqüência frenética e ritmada como as letras que me saltam à vista nesta hora de balanço da produção de uma vida produtiva e feliz.
Cursos inusitados, novas tecnologias para o ensino num momento em que poucos sabiam o que era um e-mail. Como criar um site no geocities, produção de muito lixo eletrônico em páginas-teste. Produção do portal da cartografia, da revista eletrônica de geografia, hospedados na página da universidade. Projeto geografia do Oriente Médio, mapas das terras bíblicas e construção de maquetes daquelas terras, modelos bi e tridimensionais, analógicos e digitais. Vieram as webquests, portfólios eletrônicos e os blogs. O Philcarto veio pela cartografia, atlas escolar da cidade, mapa da cidade em bairros, atlas ambiental, tudo digital e impresso. Produções em parceria, orientações e coordenações. Mais uma etapa encerrada.
Quais produções virão na próxima? Eu diria como Ricardo Gondim:  “Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para frente do que já vivi até agora. Sinto-me como aquele menino que ganhou uma bacia de jabuticabas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. [...] Sem muitas jabuticabas na bacia, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos e deseja andar humildemente com Deus”.
Hoje, tudo pode ser mais devagar, porque não há pressa. A nova fase traz consigo um gosto pela criatividade inspiradora, pela casa, pela família. Agenda de casa e manual de casa são os instrumentos que auxiliam no dia a dia. Gastronomia,  pesquisas de novos cardápios, novas receitas estimulam o prazer de estar à mesa com meus queridos e o crochê  inspira, sem evoluir, numa produção persistente e contínua.
Rosely Archela

Postagens mais visitadas deste blog

Onde estão as pilhas? Como guardar pilhas em casa.

Nossos aparelhos domésticos e de trabalho, controles remotos, brinquedos e vários equipamentos utilizados no dia a dia necessitam de pilhas para funcionar. Quando a pilha acaba é um transtorno se não houver reserva disponível. Porém, o armazenamento deve ser feito com critério, guardar novas com novas e usadas com usadas, porque quando guardadas juntas, as velhas roubam energia das novas.
Formatos e nomenclaturas A pilha no formato AA ou 2A é a mais comum de todas. De tamanho médio, geralmente é utilizada em relógios de parede, brinquedos e lanternas. Já a pilha AAA, também chamada de 3A ou pilha palito, é a menor, com frequência utilizada em controles remotos e MP3 players, onde o espaço é reduzido. Ambas têm a mesma voltagem (1,5v) e a diferença fica apenas no tamanho. Além das mais utilizadas, existem também as pilhas C (formato médio) geralmente usadas em lanternas pequenas. Também existem no mercado as pilhas D (formato grande), que normalmente são utilizadas em lanternas maiores…

Conheça os licores famosos e como servir

Licor é uma bebida antiga que tem base de destilado, é aromatizado e possui no mínimo, 20% de açúcar. Os mais famosos do mundo vem da Europa porém, há registros históricos sobre povos antigos que consumiam algum tipo de bebida semelhante ao licor. 
Licores mais famosos do mundo •   Amaretto Disaronno (Itália): o licor de amêndoas •    Frangélico (Itália): avelã •    Pisa Nut Liqueur (Itália): avelã •    Vermeer Dutch Chocolate Cream (Noruega): chocolate •    Kahlúa (México): café •    Tia Maria (jamaica): café •    Chambord (França): Framboesa •    Maraschino (Itália): Cereja •    Limoncello (Itália): limão siciliano •    Midori (Japão): melão •    Sortilége (Canadá): maple •    Cointreau (França): laranja •    Grand Manier (França): laranja •    Bénédictine (França): ervas em fórmula secreta criada em 1510. •    Chartreuse (França): fórmula secreta a base de ervas •    Jägermeister ( Alemanha): Feito desde 1878 leva 56 tipos de ervas •    Pernod (França): anis •    Sambuca Romana (Itália): anis e uma c…

Cuidados essenciais com o guarda-roupa

O guarda-roupa também necessita de cuidados. Uma boa limpeza na parte interna para retirar odores antigos é bom. Verifique se não há cheiro de mofo ou se há presença de traças. Esses fatores estragam as roupas mas, para todos há solução.
Fonte Produtos e quando usar cada um:
Bicarbonato de sódio
•Para retirar odores antigos, dilua 1 colher de sopa de bicarbonato em um litro de água e passe um     pano umedecido em todo o armário.
• Retire tudo do guarda roupas e deixe as portas abertas durante algumas horas 
•Seque com um pano de algodão.
•Espere a secagem completa antes de recolocar as roupas.

Vinagre 
•Para retirar o cheiro de mofo retire tudo de dentro do guarda roupas.
•Aqueça um litro de vinagre e coloque em um recipiente de boca larga dentro do armário com as portas fechadas por 3 horas.
•Depois de retirar, passe um pano umido.
•Deixe aberto por várias horas para que seque bem. Se necessário, utilize o secador.
•Lave as roupas e objetos e seque ao sol antes de guardar.
•Este process…

Minha receita de batata sauté

A minha melhor receita de batata sauté tem queijo!



Cada um tem a sua receita preferida,  faço a minha assim:
Lavo e descasco as batatas, corto em 4 e depois em 4 novamente. Cozinho com pouca água e sal. Escorro, coloco manteiga em uma frigideira funda, coloco as batatas e salteio rapidamente. Coloco queijo parmesão e dou uma salteada na frigideira para dourar. Finalizo com um pouco de salsinha bem picadinha e sirvo imediatamente.
*Sauté: Esse termo vem de uma palavra francesa que significa "saltar". Na gastronomia significa colocar a comida em panela muito quente, com um pouco de manteiga ou azeite, e sacudi-la durante o processo de cozimento.
Quer conhecer um pouco mais sobre a produção da batata orgânica? Veja neste manual como produzir batata orgânica

Créditos da foto

Rotina diária de Marie Kondo ao voltar do trabalho

Primeiro, abro a porta e anuncio para minha casa: “Cheguei!” 
Pego o par de sapatos que usei no dia anterior e deixei no hall, e digo: “Muito obrigada pelo trabalho árduo”, guardando-o no armário. Em seguida, descalço os sapatos que usei naquele dia e os coloco cuidadosamente no lugar onde estavam os de ontem.  Sigo para a cozinha, ponho a chaleira no fogo e vou para o meu quarto.  Deixo minha bolsa no tapete de pelo de carneiro e tiro as roupas que usei na rua. Coloco o blazer e o vestido num cabide, digo “Bom trabalho!” e os penduro provisoriamente na maçaneta do armário. Coloco a meia-calça no cesto de roupa suja, escolho uma roupa confortável e me visto. Cumprimento a planta que está num vaso na janela e acaricio suas folhas.  Minha tarefa seguinte é esvaziar o conteúdo da minha bolsa e guardar cada objeto em seu devido lugar.  Primeiro, retiro todos os comprovantes de pagamento da carteira, depois guardo-a numa caixa perto da minha cama.  O relógio de pulso fica numa caixinha antiga, e …