30 de setembro de 2017

Dê uma segunda chance para seu guarda-roupa

Sempre que a gente arruma o guarda-roupa algumas peças ficam de fora. Seja uma blusa, um vestido, uma camisa ou saia ou até mesmo aquela peça que por algum motivo, já não veste tão bem, sempre sobra alguma coisa.

Muitas não servem para doação e nem podem ser aproveitadas como pano de limpeza e então ficam por lá, guardadas mais um pouco, enquanto se pensa no que fazer. Acontece com você? Pois é, acontece com muita gente. Se você domina a arte da costura, veja algumas ideias que podem transformar sua casa ou ajudar a compor seu estilo. Basta ter criatividade.


Diversas peças de roupa podem ser cortadas em retalhos. Depois de unidos, formarão um patchwork que poderão ser usados como colcha, manta para sofá, jogo americano ou para fazer tapetes decorativos e até úteis.
Um papelão poderá ser envolvido no tecido de uma antiga blusa ou saia para criar um apoio de panela ou um lindo jogo americano ou souplas.
Um pedaço de uma peça de roupa pode ser colocado em uma moldura transformando-se em um belo quadro ou painel de recados.
Um abajur pode ficar novinho se tiver sua cúpula reformada com o tecido de uma ou várias roupas antigas.
Peças de roupa, a princípio inutilizáveis, podem se transformar no enchimento e cobertura de um pufe, uma almofada ou um boneco infantil.
Cabides podem ser encapados com amarrações de tiras de tecidos de roupas antigas, ficando mais bonitos e antiderrapantes.
Porta trecos, porta retratos e capas de cadernos ou agendas com auxílio de cola, podem ser revestidos com as roupas sem uso, ganhando um novo estilo.
Mangas de blusas, principalmente as de lã, podem ser costuradas para se transformarem em capas para celular.
Ecobags, bolsas de diversos tamanhos, nécessaires e porta documentos, podem ser feitas com os tecidos das roupas que não poderão ser doadas.  
Diversas tiras de camisetas de malha podem ser amarradas e trançadas de modo a compor um cachecol ou colar fashion.
Crédito da foto texto adaptado do blog dicas de mulher 
Comentários
Voltar ao topo