Pular para o conteúdo principal

Momentos finais da tese, a dor

Veja os concursos que estão abertos

Quem já passou por ela sabe. Você quer concluir e encerrar essa etapa tão estressante da vida, embora gostaria de ter mais tempo, voltar ao laboratório, continuar as pesquisas, analisar por outro método, mas não dá mais tempo. Agora é finalizar entregar e esperar a data da defesa.



Só para situar, uma tese é a finalização do doutorado enquanto a dissertação é do mestrado e o trabalho de conclusão de curso (TCC) é o de graduação.  Especificamente, sobre a dor da tese, a  antropóloga Miriam Grossi publicou um artigo que me interessou porque estou acompanhando  de perto mais uma vez, esse momento em casa e também, porque, consequentemente, passo por essa dor. Quem sabe, você lendo, acaba até compreendendo melhor aquele seu amigo que está sofrendo dessa mesma dor!

Que dor é essa? 
dor da escrita da tese, é uma dor que se re-atualiza (em menor escala) cada vez que temos de escrever um artigo para um congresso ou mesmo dar uma aula. Creio que a proposta teórica de Joyce McDougall, psicanalista que vem refletindo nos últimos anos sobre o processo de criação artística e a sua relação com o inconsciente e o corpo, pode nos servir como pano de fundo para entender o processo de criação intelectual, num sentido mais amplo. Nos casos clínicos que sustentam as suas análises, os artistas (escritores, pintores, artistas plásticos) sofrem fisicamente, e é a partir desse sintoma que procuram a psicanálise. McDougall constata que a criação artística é antecedida de doenças, e que os seus analisados (artistas) conseguem produzir artisticamente apenas depois de terem elaborado aquilo que, no inconsciente, embarga a criação — e que é ao mesmo tempo a fonte do processo criativo. A autora vai além da ideia mais corrente de somatização, afirmando que o sofrimento expresso no corpo é uma das formas psíquicas mais recorrentes no processo de criação, e que este sofrimento é parte do próprio processo de criação.

Acredito que o mesmo pode ser dito relativamente ao processo de criar uma tese, e que a sua teoria pode nos ajudar, enquanto orientadores, a entender os sofridos processos pelos quais passam os nossos orientandos. Doenças são muito comuns no momento da escrita da tese. Doenças leves como gripes, resfriados e diarreias até doenças muito mais graves como câncer, problemas cardíacos, sérias infecções, problemas ginecológicos, aí se incluindo tentativas de suicídio (ou até mesmo consecuções). Como orientadores, defrontamo-nos seguidamente com os nossos alunos doentes, submetidos a dores físicas e impedidos de escrever.

Como, então, lidar com este sofrimento?
Tenho-me perguntado, à luz das observações por que nós, respeitamos o sofrimento da escrita apenas quando ele se expressa em doenças graves? Talvez fosse mais saudável se conseguíssemos permitir a nossos alunos a elaboração do que significa o processo criativo de escrever uma tese.

Muito já foi pensado, mas creio que ainda há muito a se elaborar sobre outras etapas, em particular a etapa da escrita de uma tese. Mas existem os prazos, e estes precisam ser cumpridos. Por isso, escreve Miriam, que a "dor da tese" é uma dor não apenas de quem escreve a tese, mas também uma dor de quem orienta, dor que fala também de uma relação que se encerra com o final da tese.



Créditos da foto



Postagens mais visitadas deste blog

10 produtos para limpeza de azulejos

Dê adeus aos azulejos engordurados, com manchas de mofo, encardidos, sujos e opacos.

Nada como ver tudo brilhando e com aspecto limpo e saudável. Mesmo que a casa seja antiga, alugada ou emprestada é importante que a manutenção seja feita com frequência.
Hoje eu trouxe uma lista de 10 produtos para essa limpeza. Veja o que você tem em casa e simplesmente faça. Limpe uma parte de cada vez, sem exageros e aos poucos você verá a diferença.
1. Água sanitária  Aplique água sanitária pura com um pincel nos pontos que apresentam mofo. Deixe descansar por 10 minutos. Esfregue,  enxágue e seque. Utilize luvas e máscara e trabalhe com portas e janelas abertas.
2.Álcool  Passe um pano com álcool para manter o brilho e afugentar insetos.
3. Amido Azulejos brancos podem ser enxaguados com uma mistura de uma colher de amido de milho para cada litro água. O aspecto será de muito brilho e renovação dos rejuntes. Porém, apesar do visual lindo, a durabilidade é pequena.
4.Bicarbonato de sódio Faça uma pas…

Você conhece Lysoform?

Lysoform é um produto antigo eu diria, vintage. Aqui em casa, Lysoform Bruto continua fazendo sucesso na limpeza semanal dos os pisos. Utilizo diluído na proporção de ½ copo para 10 litros de água.
O produto foi fabricado pela empresa Milana com tecnologia alemã, até outubro de 2008, quando a marca Lysoform foi comprada pela Bom Bril.
Há pouco tempo a Bom Bril divulgou um documento que mostra a diferença entre os produtos Lysoform que achei muito útil e por isso trouxe para vocês.
Lysoform Bruto- Eficaz na Desinfecção de vasos sanitários, lixeiras e ralos, recomendável o (uso puro) . Possui ação bactericida/ e germes, que causam doenças, na limpeza domestica em quintais, lavanderias, paredes, e locais com animais. Para lavagem de roupas utilizar sempre no processo final da lavagem. Não é necessário enxaguar, porem recomendamos um teste em pequena área escondida do tecido, para certificar-se que não mancha. Bruto Plus Suave- As mesmas funções e composição da versão bruta. Porém possui od…

Como limpar estofados em tecido

Os estofados em tecido precisam ser aspirados toda semana para se manterem bonitos

Para a limpeza de manchas consulte a etiqueta e as orientações do fabricante. Caso não encontre, teste as seguintes receitas caseiras em uma parte não aparente do estofado. Utilize sempre panos de algodão branco e não esfregue o tecido para não descolorir ou desgastar.
1. Misture 1 colher de detergente neutro (transparente) em 1 litro de água morna. Agite a mistura até formar uma espuma abundante.Coloque a espuma lentamente sobre a mancha e esfregue com uma escova de cerdas macias.Remova o excesso de água com uma toalha de papel ou um pano branco seco.
 2. Após a limpeza com detergente  Prepare uma solução de 1 litro de água morna com 1 colher de vinagre e passe com pano limpo para avivar as cores.Deixe secar normalmente ou ajude com um secador de cabelos com temperatura baixa.Não se preocupe com o cheiro do vinagre pois sai assim que secar.
 3. Para limpar a seco  Polvilhe uma camada uniforme de bicarbonat…